Buscar

Um olhar sobre as mulheres na docência de relações internacionais

por Maria Eduarda Frota Jorge João


Ser mulher dentro do campo acadêmico de Relações Internacionais é sem dúvida um

processo complexo. Afinal, sabemos que “tudo é político quando se é uma mulher”.

Portanto, ao adentrar na área, compreende-se o papel do gênero no sistema internacional e

acaba-se expondo a nível macro problemas que em sua maioria são internalizados na

sociedade de forma micro antes de atingir grandes proporções. E isso exige muito zelo, pois

é expor para o sistema lacunas estruturais criadas pelo seu próprio desenvolvimento.

Portanto, ao pensar na docência de relações internacionais de forma generificada,

acabamos nos deparando com a realidade que abrange, mesmo que de forma velada,

todas as interações que envolvem ser mulher: o papel do patriarcado na formação da

sociedade moderna e como isso afeta a nós, mulheres, em nossa construção pessoal e

social.

Dentro disso, existem muitas teorias para se discutir o feminismo nas R.I. A teoria feminista

que começou a ganhar relevância no terceiro debate e sua varias autoras são sem dúvida

de primordial importância para entender o papel da mulher no internacional. Cynthia Enloe,

Judith Butler, entre tantas outras. No entanto, nessa dissertação, o foco não é discutir sobre

as teorias e suas aplicabilidades nos mais diversos eventos do S.I. Este texto é um olhar

sobre a docência acadêmica de relações internacionais a partir do olhar de uma jovem

internacionalista, latina e amazônida, que tem desde o começo na maioria de suas

referências professoras e figuras femininas. Que vê a luta diária por espaço e sabe a

importância e o que significa ver essas mulheres ocupando esses espaços. Que se sente

representada pelas vitórias delas e se inspira e acha forças nisso todos os dias.

Afinal, já existem muitos requerimentos só para ser mulher. Exige coragem para se

posicionar e empoderar como mulher – e todas as suas peculiaridades possíveis; LGBTQIA+, negra, não feminilizada, etc. - por si só. Exige força para gerar uma vida. Exige força para se submeter (ou não) a todos os processos associados ao feminimo. Entretanto, ao ser mulher e se lançar-se na docência de relações internacionais, exige-se ainda mais. Ao se propor a viver em um meio onde a todos os momentos o gênero é uma forma de subjugar a sua capacidade, é preciso aprender todos os dias a se relembrar da sua capacidade. É entender que talvez, não importa o quanto você esteja preparada ou empenhada, você não seja bem vinda e nem querida em alguns espaços, e que algumas vezes, você estará sozinha. Sozinha porque essa dor é silenciada por anos de opressão que ainda se mantém,e às vezes nem lhe é dado o direito de senti-la – pra que dar mais um motivo para ser passada para trás?

Acima de tudo, ser mulher discente nas relações internacionais é sacrifício. É amor. É

sensibilidade. É expor a si mesma pro mundo e dizer: Sim, eu posso. E é coragem.

Coragem, porque também é viver com inseguranças, suas e impostas, e aprender a lidar

com elas. É ter o tempo todo as suas fraquezas expostas. É ter que lidar com tudo isso e

não poder falhar. Porque se é mulher. É desatar um a um os nós do patriarcado e do

machismo intrínsecos na formação da sociedade civil global conforme se evolui. É fazer das

suas vitórias pessoais um simbolismo coletivo. É fazer com que as suas ações sejam uma

construção e uma porta aberta para aquelas que virão depois, assim como para honrar as

que vieram antes. Escolher a docência como profissão, sendo mulher, é conhecer uma

realidade onde só existe a dicotomia entre lutar pelo seu lugar ou perdê-lo, sem chance de

terceira opção. E esse processo é, sem dúvidas, desgastante e excludente.

O sistema tradicional imposto usa o gênero como arma de controle, e é quase sempre bem

sucedido. E isso pode abrir a porta para autossabotagem e inseguranças eternas. Mas também pode ser ressignificado. E então encontra-se o real sentido de estar onde se esta.

Ressignificar estas experiências é um dos maiores processos de autoconhecimento e

empoderamento que uma mulher, discente, internacionalista ou não, pode viver. Afinal,

empoderar-se pelo seu gênero, pelas suas raízes, pelo conhecimento e na resistência

contra a opressão é revolucionário. E revolucionar a si mesma é o primeiro passo para

realizar a meta de quase toda internacionalista: revolucionar o mundo. Afinal, como cita

Davis “Você tem que agir como se fosse possível transformar radicalmente o mundo. E

você tem que fazer isso o tempo todo.”

12 visualizações0 comentário